1 de setembro de 2016

Preguiça de fazer amor

Ontem recebi uma ligação de uma amiga que estava muito apreensiva falando da preguiça de transar com o marido, a falta de libido e o quanto estava preocupada com o relacionamento.

Até entendo que às vezes o desejo sexual vai diminuindo com a idade ou o tempo do relacionamento, mas o casal não pode ignorar a relação sexual, uma frequência para se chamar de normal e estável é de dois orgasmos por semana. Por que eu falei orgasmos? O certo seria dois sexos por semana, mas deixa eu te dizer, transar é uma coisa, orgasmo é outra. Não vale a rapidinha, mamãe e papai se não houver orgasmos.

O que temos que entender é que quanto mais sexo e orgasmos nós tivermos, mais vontade teremos, nosso corpo pede o que está habituado a fazer. Quanto mais você interagir com o seu parceiro de forma sensual, tátil e emocional, maior será sua predisposição neural para sentir desejo.

Ainda indo por este pensamento, a sexualidade funciona como exercícios físicos. Por exemplo, para iniciar a rotina de exercícios se você está acostumado a só ficar sentado no sofá, vai te dar uma preguiça horrível, mas se você enfrentar e ganhar da preguiça, vai uma vez, outra e outra até um momento que o teu corpo pede o exercício. Quantos corredores de rua ou jogadores de bola que não podem se exercitar e olham uma disputa, sentem que a perna implora para que você corra ou jogue? O mesmo funciona com o sexo. Em outras palavras, nosso corpo tende a ser condicionado à quantidade de atividade sexual que habituemos. Se não praticarmos atividade sexual por um longo período, o desejo sexual pode chegar a praticamente zero. Doidge analisou a fisiologia do desejo sexual, e verificou que os centros do cérebro que provocam isso são os mesmos que são ativados quando se consome qualquer droga (Doidge, 2008). Então - em termos fisiológicos - o grau de desejo sexual dependerá do seu "consumo"; ou seja, mais sexo (orgasmos) maior o desejo.

Se você já está há mais de 10 dias sem vontade de transar procure saber se:

Seus hormônios estão de acordo à normalidade, procure um endócrino;

Se na sua cama você carrega muitos tabus, procure se desfazer dos mesmos;

Se sua criação foi muito fechada com relação ao sexo, tudo bem, seus pais deram seu melhor, mas agora chegou a tua vez de descobrir que partes são interessantes da vida sexual de uma pessoa;

Se você já teve algum drama sexual no passado, procure um terapeuta sexual;

Se você parou de fazer sexo porque doía muito, procure um ginecologista, se ele não conseguir te ajudar, procure outro, sexo não dói;

Se você já não sente atração pelo teu companheiro, para este existem várias alternativas:

Procure um Terapeuta de Relacionamentos;

Procure dialogar com teu parceiro;

Tente lembrar o que te chamou a atenção naquele primeiro momento e procure nele estas qualidades;

Converse com ele para saber se o sentimento é mútuo e se vocês se amam o suficiente para seguir juntos;

Se existe amor, tem muitas alternativas:

Mude sua rotina;

Coloque na rotina do seu relacionamento pelo menos uma saída por mês com direito a jantar e motel ou motel, calcinha nova, surpresa de roupa e lugar....

NAMORE, nestas saídas e na cama evite falar de contas, filhos, trabalho... Quando vocês namoravam não falavam sobre isso, verdade? Então tente se lembrar do que vocês conversavam.

RIA, rir é o melhor remédio já dizia a minha avó e é a mais pura verdade. No riso nos reencontramos com o amor, com a beleza, com as qualidades, com tudo o que teu relacionamento precisa nesse momento.

Brinde para sua cama alguns brinquedos e cosméticos sexuais, vale muito a pena.


Boa sorte amores!!!!

Um comentário:

  1. Anônimo9/01/2016

    Muito bom Elis Adorei.. bjus Polli

    ResponderExcluir